quinta-feira, 29 de maio de 2008

SOBRE BARBEIROS.


A Suprema Corte do Canadá decidiu na última quinta-feira (22) arquivar o caso de um morador de Ontário que jura que sua vida sexual acabou depois de ter achado duas moscas mortas em uma garrafa de água mineral fechada. O incidente aconteceu em 2001.

Waddah Mustapha, um imigrante libanês de 46 anos com mania de limpeza, processou a empresa que engarrafou a água, alegando ter sofrido danos psicológicos (como depressão, fobia e ansiedade), além de terríveis danos à sua vida sexual.

Na época, ele tinha duas filhas, uma de 7 e uma de 3 anos, e sua mulher estava grávida de 7 meses. Mustapha imigrou para o Canadá em 1976, onde trabalha como cabeleireiro.

Ninguém chegou a beber a água da discórdia, mas como eles consumiam essa mesma água (da marca Culligan) tanto em casa como no salão, ele ficou obcecado com a possibilidade de sua família ter consumido água contaminada no passado.

O cabeleireiro pediu US$ 343 mil (cerca de R$ 570 mil) e teve ganho de causa em instâncias inferiores. Mas a Suprema Corte concluiu, por unanimidade, que ele não provou nada do que diz. "O sr. Mustapha deveria mostrar que uma pessoa de resistência normal sofreria sérias conseqüências ao ver moscas em uma garrafa de água prestes a ser ingerida. Ele não fez isso", declarou a corte.

Mustapha afirma que vomitou depois de ver os insetos e que passou a ser atormentado por visões de moscas andando sobre fezes. Agora, além de não ganhar aquela bolada, ele terá que pagar os honorários do caso.
--------------------------------------------------------------------------------------
Se você for trabalhar como barbeiro na cidade de Houma (Louisiana, EUA), é bom aprender uma regra: nunca abra seu salão aos domingos ou segundas.



Uma lei municipal prevê multa para os infratores que, como Clyde Scott, ousam atender clientes nos dias proibidos.



Clyde abriu seu salão no dia 19 de maio apenas para "quebrar um galho" de estudantes que precisavam de um corte antes da cerimônia de formatura. Mas ele foi pego pela polícia e enquadrado na lei. "Eu não sabia dessa lei. Isso é loucura", disse ele, que tem o salão há dois anos.



O porta-voz da polícia de Houma disse que a infração foi descoberta graças a denúncias de pessoas que perceberam a movimentação no salão. Autoridades dizem que não sabem há quanto tempo a lei existe, mas que ela está na ativa pelo menos desde 1981.



O advogado Joe Waitz Jr. vai pedir que a lei seja considerada inconstitucional. "Nosso trabalho é prender criminosos, não barbeiros", disse.


ENQUANDO ESTAMOS AQUI QUIETINHOS NO NOSSO MUNDO "NORMAL", HÁ TANTAS COISAS ACONTECENDO NO "MUNDO BIZARRO"!!!

Um comentário:

Nelio disse...

REALMENTE ROSE FIQUEI PARVO COM ESSA HISTORIA CADA COISA.....